O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






01/09/2015
RH » Recrutamento e Seleção » Entrevista Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Tecnologia dá suporte aos processos de seleção

Por Patrícia Bispo para o RH.com.br

A procura por profissionais que façam o diferencial e que tenham expressivas chances de se enquadrem à cultura da empresa contratante, é uma rotina desafiadora para quem conduz os processos de seleção. Felizmente, para localizar esses talentos já não é mais necessário recorrer aos anúncios de jornais para anunciar a disponibilidade de uma única vaga - como acontecia há décadas passadas. Hoje os selecionadores contam com uma ferramenta que possibilita agilidade a processo de R&S: a tecnologia. Graças ao advento tecnológico, as organizações estão otimizando as seleções e, por vezes, chegam a pesquisar o perfil dos candidatos através das redes sociais, para fazer uma análise prévia de algumas competências - principalmente as comportamentais - daqueles que desejam ingressar em seus times.
Para Wagner Santos, que atua na Adaptworks - empresa que atual no segmento de softwares e soluções para a área de treinamentos e desenvolvimento, apesar do uso das redes sociais com foco nos processos de R&S ter aumentado muito, a maioria das empresas ainda não explora todo o potencial deste recurso. "As empresas precisam criar relações com seus potenciais candidatos e mostrar que são excelentes empregadoras, ou seja, devem utilizar as redes sociais para consolidar sua marca como empregador. Isto envolve mostrar sua cultura organizacional e como esta empresa é um local extraordinário para trabalhar", defende.
Em entrevista concedida ao RH.com.br, Wagner Costa Santos - um especialista que vive conectado às inovações tecnológicas, fala, ainda, sobre outro assunto que tem despertado o interesse das organizações: o uso da videoconferência nos processos de Recrutamento & Seleção. Inclusive, ele dá ótimas dicas para quem deseja utilizar esse recurso durante as entrevistas seletivas. Tenha uma ótima leitura!


RH.com.br - Quais os impactos que a tecnologia trouxe para a área de Gestão de Pessoas, notadamente nos últimos dez anos?
Wagner Costa Santos - Podemos destacar o crescimento do recrutamento online, o uso de ferramentas específicas para recrutamento e seleção que possibilitou a diminuição do uso de controles manuais e principalmente o papel cada vez mais importante das redes sociais.

RH - E em relação aos processos de R&S, quais os benefícios que a tecnologia tem proporcionado no momento de se captar os talentos?
Wagner Costa Santos - Quando a empresa não utiliza softwares específicos para Recrutamento e Seleção, normalmente os currículos são recebidos por e-mail e os controles são por planilhas, isso se existirem. O uso de softwares específicos possibilita, por exemplo, uma gestão unificada da base de candidatos, histórico de todos os processos que o candidato já participou na empresa, visibilidade dos gargalos no tempo de contratação, integração com redes sociais e sites especializados para a divulgação das vagas e medição dos resultados. Estas são as vantagens iniciais claramente percebidas por uma empresa que adota a tecnologia para o seu processo de recrutamento e seleção.

RH - As redes sociais tornaram-se, de fato, um campo rico para os recrutadores ou ainda existe um longo caminho para que esse recurso possa ser utilizado em toda sua potencialidade nos processos de captação de talentos?
Wagner Costa Santos - A utilização aumentou muito nos últimos anos, mas a maioria das empresas ainda não explora todo o potencial deste recurso. Por exemplo, as empresas precisam criar relações com seus potenciais candidatos e mostrar que são excelentes empregadoras, ou seja, devem utilizar as redes sociais para consolidar sua marca como empregador. Isto envolve mostrar sua cultura organizacional e como esta empresa é um local extraordinário para trabalhar. Este trabalho, bem feito e divulgado poderá gerar uma série de seguidores que admiram a empresa. O resultado disso é que as vagas publicadas em redes sociais terão um número cada vez maior de candidatos engajados e que realmente querem trabalhar na organização. Outra forma importante é utilizar o potencial dos funcionários da própria empresa para divulgar as oportunidades em suas redes sociais pessoais. Isto aumenta o alcance da vaga e facilita a obtenção de referências sobre o candidato com o próprio funcionário.

RH - Outro fator que tem mostrado crescente aumento é a realização das entrevistas de seleção através de videoconferências. Em que casos esse processo deve ser utilizado?
Wagner Costa Santos - Quando falamos sobre o uso do vídeo nas entrevistas de seleção, podemos dividir em duas formas distintas de avaliação. A primeira - a mais conhecida - é a própria videoconferência, ou seja, entrevista ao vivo por vídeo com tecnologias como Skype ou o Hangouts. Esse processo pode ser utilizado como uma primeira entrevista com o candidato para decidir se vale a pena chamá-lo para uma entrevista presencial. Além disso, é uma ferramenta muito importante para a seleção à distância, ou seja, quando o candidato mora em outra cidade, Estado ou até mesmo outro país. A segunda forma ainda pouco conhecida é o questionário por vídeo. Neste caso o recrutador envia um questionário para o candidato e ele grava as respostas em vídeo para avaliação posterior. As principais vantagens deste método em relação à videoconferência, é que o recrutador não precisa reservar conciliar sua agenda com o candidato, o tempo gasto na avaliação do questionário é menor do que a entrevista online. Por exemplo, caso ele identifique pelo vídeo algumas características do candidato que o desqualificam para a vaga, é só ele parar de avaliar o candidato e passar imediatamente para o próximo, o que não é possível quando você interage ao vivo com o candidato. Importante destacar que o questionário por vídeo não substitui a avaliação de currículos e nem uma futura entrevista presencial, mas é uma ferramenta poderosa na triagem que possibilita que os candidatos convidados para as fases finais do processo sejam os mais aderentes ao perfil da vaga.

RH - No Brasil, as empresas têm aumentado a utilização da videoconferência para realizar entrevistas de seleção?
Wagner Costa Santos - Sim. Como razões principais, posso citar a diminuição do tempo gasto no processo seletivo, redução do tempo de locomoção para o candidato, maior facilidade para conciliar as agendas do recrutador e do candidato, além de facilitar a seleção de candidatos mesmo que eles estejam longe da empresa.

RH - Quais os requisitos mínimos, para que uma entrevista de seleção via videoconferência tenha êxito?
Wagner Costa Santos - Tanto o candidato, como a empresa devem ter os equipamentos corretos e o local apropriado para a realização da entrevista. Para fazer uma entrevista ao vivo por vídeo, talvez seja melhor para o recrutador estar numa sala fechada e tranquila. Caso ele decida pelo questionário por vídeo, o requisito para a empresa envolve apenas estruturar bem as perguntas que serão enviadas ao candidato, estabelecer uma data limite para resposta e depois ter um equipamento capaz de reproduzir vídeo e áudio. O candidato deve encarar com seriedade esta etapa do processo, se vestir adequadamente, passar uma boa impressão e se comportar como estivesse numa entrevista presencial.

RH - Quais os principais fatores que podem comprometer uma entrevista de seleção via videoconferência?
Wagner Costa Santos - A tecnologia deve ajudar e não atrapalhar, Seu uso deve ser fácil e transparente. Uma conexão de internet de qualidade e equipamentos preparados diminui os riscos de problemas. Outros fatores que podem atrapalhar é a falta de respeito com o horário estabelecido e a falta de preparação do recrutador.

RH - A entrevista de seleção por videoconferência tem peculiaridades que a tornam muito diferente dos processos presenciais?
Wagner Costa Santos - Existem algumas peculiaridades e principalmente o candidato que nunca passou por um processo assim, deve se preparar. Por exemplo, ele deve levar em conta o fundo que sua webcam irá pegar e preferir utilizar um fundo neutro. Ele deve se lembrar de que, normalmente, os microfones têm uma boa captação e os sons do ambiente serão transmitidos para o recrutador. Ele deve avisar outras pessoas que estão no local que ele não quer ser interrompido para não atrapalhar a entrevista. A empresa, da mesma forma, deve investir nos equipamentos tecnológicos e ambientes apropriados para este tipo de entrevista.

RH - Quais os principais benefícios que a entrevista por videoconferência tem proporcionado aos processos de seleção?
Wagner Costa Santos - Avaliação de um número maior dos candidatos, redução dos custos com viagem e redução do tempo gasto no processo seletivo. No caso dos questionários por vídeo, podemos citar a avaliação e comparação imparcial dos candidatos, pois todos recebem as mesmas perguntas e têm o mesmo tempo para respondê-las, avaliação colaborativa, pois o vídeo pode ser assistido e avaliado por pessoas diferentes da empresa, tempo menor com triagens por telefone e os candidatos que são chamados para uma entrevista presencial são os mais aderentes ao perfil da vaga.

RH - Depois que a entrevista de seleção, através de videoconferência é realizada, geralmente quais são os próximos passos que o selecionador costuma adotar?
Wagner Costa Santos - Cada empresa tem seu fluxo de contratação e deve estabelecer em que parte do fluxo as ferramentas por vídeo encaixam-se, mas de forma geral, a empresa pode comparar os candidatos avaliados por vídeo e decidir quais serão chamados para uma entrevista presencial com a área de Recursos Humanos, ou talvez o candidato já possa ser encaminhado diretamente para uma entrevista com seu futuro líder ou com o time que fará parte.

RH - Alguma orientação para os selecionadores que desejam implantar esse recurso nas suas empresas, porém não sabem como proceder?
Wagner Costa Santos - A melhor sugestão é começar com um processo seletivo menor e usar o vídeo com poucos candidatos. À medida que a empresa amadurecer na utilização do vídeo, poderá escalar sua utilização Se a empresa tiver uma ferramenta que permita o envio de questionários para serem respondidos com vídeo, é uma forma simples de iniciar e que pode proporcionar rapidamente um processo seletivo mais eficaz. Caso não tenha a ferramenta, pode fazer uso da videoconferência com ferramentas conhecidas como o Skype e o Hangouts. Escolha alguns candidatos que você pretende chamar para uma entrevista presencial e faça uma entrevista rápida com vídeo e você já perceberá que irá ganhar tempo no processo evitando entrevistas presenciais desnecessárias. É um passo adicional no processo, mas que no final, resultará num tempo total gasto com candidatos que realmente tem potencial para a vaga.

RH - Qualquer selecionador está apto para realizar uma entrevista de seleção, através de videoconferência ou esse processo requer preparo?
Wagner Costa Santos - De forma geral, podemos dizer que sim, pois os selecionadores já estão acostumados a fazer entrevistas e precisarão apenas adaptar esta experiência para o uso da tecnologia por vídeo. É importante apenas se estruturarem com as ferramentas e equipamentos apropriados conforme já citamos anteriormente.

 

Palavras-chave: | Wagner Costa Santos | captação | talento | tecnologia |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.