O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






27/06/2016
RH » Recrutamento e Seleção » Dicas Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Os cinco aspectos emocionais que você deveria avaliar em todos os candidatos

Por Willyans Coelho para o RH.com.br

Sabe aquela velha frase "as pessoas são contratadas por suas competências técnicas e demitidas por suas competências comportamentais"? Pois bem, ela é antiga, mas ainda continua atual. E grande parte deste fator está relacionada ao modo como a pessoa lida com suas próprias emoções. Cada pessoa tem um estilo emocional que influencia o seu comportamento nos mais diversos ambientes, inclusive no ambiente de trabalho. Nesse sentido, cabe ao selecionador também avaliar alguns aspectos emocionais durante o processo de seleção, a fim de garantir o alinhamento desses estilos com o modo de ser da organização.

Eu sei que estou sendo um pouco malvado. Afinal, já temos que avaliar competências técnicas, competências comportamentais, experiência profissional, formação acadêmica e mais isso, aquilo e aquilo outro. E como se não bastasse, trago mais um fato de avaliação: as emoções.

Porém, para facilitar, vou propor apenas cinco aspectos emocionais que você poderia avaliar em todos os candidatos, independente do cargo. Afinal, tais aspectos estão presentes em todas as pessoas, porém, em níveis distintos. Vamos a eles:

1) Resiliência

Todos nós temos a incrível capacidade de se recuperar das adversidades. O que muda é o tempo em que fazemos isso. Há pessoas que ficam remoendo os problemas por dias, meses talvez. Há outras que se recuperam rapidamente e seguem em frente. Saber o nível ideal no candidato que você está avaliando, depende da função que ele vai exercer. Ter um nível baixo de resiliência pode ser importante para alguém que precisa encontrar soluções para problemas complexos, por exemplo. Mas pode ser paralisante para quem precisa tomar decisões rápidas. Enfim, seja em qual nível for, é um aspecto importante a ser avaliado.

2) Positividade

Cada pessoa encara os desafios de uma forma peculiar. Há aqueles que vão de peito aberto acreditando no sucesso, outros tendem a se precaver mais, avaliando os possíveis problemas que podem surgir. Mais uma vez, estamos falando de níveis. Pessoas que apresentam alta positividade tendem a buscar recompensas mais imediatas e, por vezes, não aprendem com os erros. Já as pessoas que apresentam um nível mais baixo, procuram se cercar de garantias para que tudo dê certo, mesmo que o resultado demore mais para chegar. Portanto, aqui depende das metas que são relevantes à função que será exercida, as metas deste cargo costumam ser estabelecidas mais no curto ou no longo prazo?

3) Autopercepção

Por vezes, não é fácil compreender o que se está passando consigo mesmo. A capacidade de reconhecer as suas próprias emoções e, o mais importante, interpretar corretamente os seus motivos, é um fator que varia de pessoa para pessoa. Dessa forma, apresentar um determinado nível de autopercepção está associado à capacidade de autocontrole emocional. Quando melhor a pessoa reconhece seus sentimentos e sabe os motivos que o levaram a estar se sentido dessa forma, maior será a sua capacidade de dar uma resposta mais adequada à situação.

4) Sensibilidade ao contexto

Vivemos em um mundo de interação social. E uma empresa é uma célula dessa sociedade, na qual interagimos, influenciamos e somos influenciados pelos comportamentos dos outros. Nesse sentido, assim como é importante reconhecer suas próprias emoções, também é importante reconhecer as emoções dos outros para compreender seus comportamentos e, então, nos ajustarmos a eles. No caso de gestores, por exemplo, ter um alto nível de sensibilidade ao contexto é essencial para garantir uma melhor interação com a sua equipe.

5) Atenção

Cada um de nós tem uma determinada capacidade de concentração. Há pessoas em que o mundo pode cair à sua volta, que ela se manterá concentrada numa determinada tarefa. Outras pessoas conseguem realizar diversas coisas ao mesmo tempo, ou saltam de uma tarefa para outra com extrema desenvoltura. Mais uma vez cabe avaliar a função a ser exercida futuramente pelo candidato. Você precisa de uma pessoa capaz de ter uma concentração profunda ou alguém capaz de exercer multitarefas?

Observe que esses cinco aspectos emocionais influenciam grande parte do desempenho profissional, em qualquer profissão que seja. Porém, nem todos os candidatos precisam ter esses cinco fatores em alto nível para qualquer tipo de cargo. Nesse sentido, cabe ao selecionador utilizar a sua experiência e avaliar o nível necessário para cada cargo, de acordo com a descrição da função, o ambiente em que estará inserido e a cultura predominante da organização.

E aí, tem mais algum aspecto que você considera importante? Faça a sua contribuição nos comentários.

 

Palavras-chave: | recrutamento | seleção | talento | competência | emoção |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.