O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






14/10/2015
RH » Qualidade de Vida » Notícia Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Carreta da mamografia atende trabalhadoras da indústria

Uma carreta de alta tecnologia do Sesi-SP, totalmente equipada para fazer mamografias, começou na segunda-feira (5/10) a percorrer indústrias da Grande São Paulo, oferecendo gratuitamente o exame, essencial para a detecção precoce do câncer de mama. Na região há mais de 120 mil mulheres que devem fazer o exame, por terem 40 anos ou mais ou por indicação médica.

A carreta é parte do projeto MUSA - Mulher Saudável, promovido conjuntamente pela Fiesp e pelo Sesi-SP. É equipada com mamógrafo digital de última geração e conta com o conforto da climatização, TVs, som ambiente, vestiário e controle de luminosidade. Antes de começar a viagem pela Grande São Paulo, ficou estacionada na sede das entidades da indústria, na avenida Paulista, realizando mais de 25 mamografias por dia na equipe que trabalha no prédio.

O projeto deve trazer como benefícios a redução do absenteísmo, diminuição de perda de horas de trabalho, facilidade de acesso e conforto e a satisfação e aumento do vínculo afetivo das trabalhadoras com a empresa.
O programa ainda prevê a realização de ações educativas junto às trabalhadoras da indústria e comunidade, bem como oferecer serviço preventivo de qualidade, de acordo com os padrões e normas vigentes.

Segundo o gerente executivo de Qualidade de Vida do Sesi-SP, o médico Eduardo Arantes, esta ação mostra mais uma vez a importância da promoção da saúde e da prevenção de doenças. "A intenção desta campanha é atender 100% das mulheres da indústria. Um índice nunca alcançado no mundo", enfatiza.


Removendo obstáculos
- A ideia de ampliar o atendimento preventivo de saúde e facilitar o acesso da trabalhadora paulista à mamografia surgiu em 2013, durante o evento de comemoração do Outubro Rosa na Fiesp. O presidente da entidade, Paulo Skaf, durante conversa com suas colaboradoras, percebeu que a dificuldade de locomoção em uma cidade grande como São Paulo é uma das causas da baixa adesão aos exames.

As mulheres presentes alegaram que a burocracia, o trânsito e a distância dos laboratórios acabam desmotivando a realização da mamografia, apesar de elas terem convênio médico. Skaf estudou as sugestões e teve a ideia de propor uma unidade médica móvel para que todas as mulheres da entidade tenham acesso aos exames e diagnósticos da doença. "Com a unidade móvel a trabalhadora fará os exames com total conforto e segurança em no máximo 15 minutos", afirmou Skaf.

Na mira da MUSA - O público alvo do projeto MUSA é o das trabalhadoras da indústria paulista com 40 anos ou mais ou que tenham indicação clínica para a realização abaixo da faixa etária. Excepcionalmente, homens poderão ser atendidos, também por indicação médica. Em todos os casos, a mamografia anterior deve ter sido feita pelo menos 10 meses antes.

Câncer de mama no Brasil - No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágios avançados. Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos é de 61%.

Segundo informações do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, correspondendo a 22% dos casos novos a cada ano. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom.

Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta faixa etária sua incidência cresce rápida e progressivamente. Estatísticas indicam aumento de sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nas décadas de 60 e 70 registrou-se um aumento de 10 vezes nas taxas de incidência ajustadas por idade nos Registros de Câncer de Base Populacional de diversos continentes.
Sobre o Outubro Rosa

A Campanha Mundial Outubro Rosa é um movimento popular que busca sensibilizar a população para os riscos e a necessidade de diagnóstico precoce para esse tipo de câncer, que é o segundo mais comum no mundo, perdendo apenas para o de pele.


FONTE: Agência Indusnet Fiesp

 

Palavras-chave: | Sesi | mulher | saúde | qualidade de vida no trabalho |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.