O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






13/09/2016
RH » Liderança » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

A escala de influência da liderança

Por Wellington Moreira para o RH.com.br

Você conduz as pessoas com base na posição, competência técnica, personalidade ou integridade?

Liderança é a arte de influenciar as pessoas e o ambiente no qual você atua. Esta talvez seja a frase que melhor defina tal competência, pois deixa claro que a liderança tem a ver com a ascendência sobre si mesmo e aqueles que estão ao redor, bem como o esforço para transformar o lugar onde você opera.

A questão é que, ao observarmos o trabalho dos líderes que fazem parte da nossa rede de relacionamentos, logo percebemos que muitos deles ignoram a existência de uma escala de influência. Buscam a adesão das pessoas utilizando meios que as desmotivam em vez de inspirá-las. Resultado: missão não cumprida ou insatisfação generalizada; às vezes, as duas coisas juntas.

Muitos líderes só têm ascendência sobre outros indivíduos porque a posição formal que ocupam lhes dá o direito de fazer as coisas acontecerem, se preciso for, na marra. A sua força, portanto, vem do cargo e não deles mesmos. Incluem-se aí os famosos e execrados chefes que habitam inúmeras organizações.

Outros líderes, apesar de terem o poder formal em suas mãos, preferem influenciar pessoas com base em sua competência técnica. Todos o escutam porque ele é visto como "o cara", aquele que resolve os problemas que aparecem.

Temos também aquele grupo de líderes com uma capacidade ainda maior de fazer acontecer graças à sua personalidade. O tipo de gente que tem carisma de sobra, inspira os outros à ação ou simplesmente é talentoso para magnetizar quem o escuta falar. Fatores que parecem ser superficiais, mas fazem uma grande diferença quando você precisa motivar pessoas a realizarem algo que elas não querem.

Por fim, temos líderes que influenciam sustentados pela integridade. Pessoas cuja autoridade moral e o bom exemplo arrasta as pessoas na mesma direção com pouquíssimo esforço despendido. Gente do porte de Mahatma Gandhi e da senhorinha da sua vizinhança que une um montão de pessoas para aquele trabalho social aos domingos de madrugada. Ou do pai que é respeitado pelo filho por causa da forma irrepreensível com que o educa no dia a dia.

Pessoas que lideram informalmente, sem cargo algum na estrutura da empresa, influenciam porque têm competência técnica, uma personalidade cativante ou então autoridade moral. E é claro, às vezes, são ouvidos com mais interesse e atenção do que o próprio líder formal, que costuma recorrer aos incentivos e punições sempre que precisa impor suas vontades.

O mesmo ocorre quando você é escutado por seus pares ou superiores na empresa, clientes e demais pessoas que não têm obrigação alguma de dar bola para aquilo que diz. Eles certamente o veem como alguém capaz de resolver os problemas, não querem decepcioná-lo porque o apreciam ou julgam que sua forma de agir merece crédito.

Também não podemos esquecer o fato de que até duas décadas atrás as pessoas eram muito sensíveis a líderes que simplesmente tivessem o poder formal (o chefe mandou, então tem de fazer) ou a competência técnica (ele sempre sabe as respostas, vamos fazer logo o que está pedindo) e não questionavam as ordens que vinham de cima.

A nova geração percebe o mundo de uma forma muito diferente. Grandes feitos só se tornam possíveis quando eles gostam de estar ao seu lado ou o veem como o tipo de profissional que também querem ser no futuro.

Esse assunto, inclusive, ajuda a entender o estado em que se encontra a política nacional. Alguns dos nossos governantes e representantes só estão preocupados em obter poder, são incompetentes, desonestos e mesmo assim os reelegemos. Pior: quando necessário, renunciam para não serem cassados, deixam a poeira baixar e algum tempo depois retornam ao Congresso com a cara lavada, como se nada tivesse acontecido.

Se nas empresas a influência baseada na posição perde prestígio com modelos de gestão cada vez mais flexíveis e achatados, na política brasileira a escala de influência ainda é regida por ela. Ainda bem que as pessoas à frente da Operação Lava-Jato nos trazem um fio de esperança de que as coisas estão mudando.

 

Palavras-chave: | estilo de liderança | equipe | relacionamento interpessoal |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.