O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






07/06/2016
RH » Desenvolvimento » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Investimento no desenvolvimento organizacional

Por Rúbia Fonseca Roberto para o RH.com.br

Investir em Desenvolvimento Organizacional (DO) é uma questão de sobrevivência e deve ser praticada por todas as organizações, independente do porte. O que irá variar de uma empresa para outra são as estratégias a serem adotadas. Desenvolver é pensar em longo prazo, de acordo com o planejamento da organização, ou seja, do cenário e dos objetivos organizacionais.

Para se desenvolver, uma organização precisa Administrar o Conhecimento. Não basta fornecer capacitação, é preciso praticar o ciclo de planejamento, a organização, a direção e o controle do capital intelectual. Esse processo pode ser pensado em três fases:

1) Diagnóstico das necessidades da organização e da equipe, identificando as lacunas.
2) Planejamento das ações em consonância com o planejamento da empresa.
3) Manutenção - Gestão do conhecimento e a cultura de aprendizagem são processos constantes e de resultado em longo prazo. Por isso, é necessário acompanhar, monitor e reformular as estratégias, quando necessário.

Outra questão importante é criar uma cultura de criatividade e inovação, com ações e comportamentos como:
- Programa de sugestões.
- Grupos de geração de ideias.
- Oficinas de criatividade.
- Investimento em pesquisa.
- Canais de comunicação com clientes e colaboradores.
- Formação de facilitadores para os processos de capacitação.
- Ambiente agradável e receptivo a novas ideias.
- Tolerância a erros.
- Espaço e liberdade para o colaborador criar e experimentar ideias.

Todavia, para alcançar o desenvolvimento organizacional é preciso desenvolver pessoas, aumentar o ativo das organizações, através do aumento do capital intelectual, que é formado por seus colaboradores.

De acordo com os objetivos traçados (mudança de cargo ou aperfeiçoamento no atual cargo, mudança de setor ou nível hierárquico) deverão ser identificadas as ferramentas mais adequadas disponíveis. É o momento de organizar os recursos necessários para alcançar os objetivos. Dentre as ações de desenvolvimento de pessoas podemos citar:

- Rotação no cargo: dá a oportunidade para o colaborador trabalhar em setores e funções diferentes, para conhecimento do todo.

- Posição de assessoria: o profissional com potencial vai trabalhar diretamente sob a supervisão de um gerente bem-sucedido, disposto a compartilhar o conhecimento.

- Participação em comissões: onde vai pesquisar sobre o assunto, desenvolver ações, tomar decisões, desenvolvendo habilidades de trabalhar em equipe, desenvolvendo-se nessa área, sem estar diretamente responsável por ela.

- Oficinas (programa de formação continuada) em várias etapas, simulando situações, discutindo cases, troca de experiência entre equipes.

- Feedback de recrutamento interno, de avaliação de desempenho e programas de bonificação, para o colaborador ter oportunidade de ir se aperfeiçoando.

- Participação em eventos e cursos externos: congresso, cursos on-line e presenciais, desenvolvimento de pesquisa e publicação.

As decisões voltadas para o DO começam nos processo de Recrutamento e Seleção. Quando esses processos são bem conduzidos, vão agregar pessoas com perfil adequado à necessidade da organização, contribuindo para o desenvolvimento de ambos.

Para atrair e ter bons profissionais a organização deve proporcionar oportunidades para o indivíduo crescer profissionalmente. Esse processo é conduzido por meio de uma política estabelecida para progressão no cargo e/ou na empresa e, geralmente, envolve melhoria na remuneração. Os processos de Gestão de Pessoas ligados ao desenvolvimento das pessoas são:

- Plano de Cargos e Salários.

- Avaliação de Desempenho.

- Programas de Incentivos: bonificações, remuneração variável.

- Banco de Dados de Gestão de Pessoas: mantendo currículos atualizados, com registros de horas treinadas e competências desenvolvidas.

- Banco de Oportunidades: de cursos, de recrutamento interno, de incentivo à qualificação.

- Programa de Trainees. Molda o colaborador na cultura e trajetória interessante à empresa, algumas empresas fazem parceria com faculdades e ficam de olho nos melhores alunos.

Por fim, é importante ter em mente que Desenvolvimento Organizacional é a Cultura da Educação Continuada, da Gestão do Conhecimento e do Comprometimento, tanto da pessoa com a empresa, quanto da empresa com a pessoa.

 

Palavras-chave: | Gestão do Conhecimento | aprendizagem | estratégia |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.