O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






25/03/2014
RH » Criatividade » Matéria Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Uma usina movida a ideias inovadoras

Por Patrícia Bispo para o RH.com.br

A concepção de que a empresa é um organismo vivo já não é mais novidade. Diante disso, torna-se imprescindível que todos os órgãos que a compõe estejam em perfeita sintonia, para que cada um possa contribuir uns com os outros. A partir desse princípio, a empresa consegue abrir um leque para que seus colaboradores vivam em um ambiente propício à criatividade e sejam estimulados a apresentarem suas propostas que façam o diferencial para o negócio.

 

Foi a partir dessa linha de pensamento que a Companhia de Idiomas somou à sua Gestão de Pessoas a iniciativa que passou a ser chamada de Usina de Ideias - uma proposta instituída com o objetivo de captar de forma organizada as ideias que eram percebidas por alunos, professores, funcionários, clientes e fornecedores. De acordo com Rosangela Souza, sócia-diretora da empresa, inicialmente percebia-se que as ideias vinham apenas das sócias da Companhia de Idiomas e que os colaboradores tinham escolhas limitadas: concordar e implementar, discordar ou fingir que não era com eles.

 

Então, era preciso criar uma cultura que favorecesse a mudança para melhor e não a manutenção no status quo - em processos, pessoas, produtos, preços, e principalmente na atitude diante de tudo. Tornava-se fundamental inspirar as pessoas a olharem para tudo com um pensamento mais analítico e menos subserviente. "Não existe no mundo um único indivíduo que seja mais inteligente que um grande grupo de pessoas engajadas. O Rafael Zatti, fundador da plataforma de crowdsoucing Ideias.me, cita uma definição para processos de ideação, que eu acho muito criativa: buscar uma agulha no palheiro, motivando todo o feno a ajudar você", assinala Rosangela Souza.

 

A sócia-diretora da Companhia de Idiomas explica que a definição de público-alvo da Usina de Ideias é a mesma que a empresa tem em outro processo de ideação da organização - o crowdsourcing. Em ambas as iniciativas, o público é "o mais amplo possível". Na Usina de Ideias, a maior aderência é de funcionários da administração e professores. No crowdsoucing, a empresa recebe ideias de todos os stakeholders: funcionários, professores, clientes, RHs, fornecedores, amigos, familiares e seguidores/fãs de redes sociais da empresa.

 

O olhar inovador faz parte da estratégia corporativa, portanto há indicadores de desempenho para medir o quanto de fato a organização está captando ideias e as implementando ao negócio. A cada ano, profissionais diferentes assumem este indicador, até para que a forma de condução possa variar. "Sabemos que a experiência pode ocasionar a perda de sensibilidade, e este é um aspecto que não pode ser automatizado. Por isso, a cada ano alguém de uma área diferente assume o projeto. Assim mantemos o frescor e a energia de algo novo, mesmo não sendo", explica Rosangela Souza, ao acrescentar o conceito adotado e que envolve este trabalho é "quanto mais pessoas inteligentes você envolve para solucionar um problema seu, maiores as chances de ele ser solucionado".

 

Equipe da Companhia de Idiomas é motivada pela Usina de Ideias

 

Captação de Ideias - "Percebíamos que muitas vezes uma excelente ideia era dada para a pessoa errada - como um estagiário recém-contratado, que agradecia, dava qualquer resposta e não passava a ideia para outra pessoa na empresa; ou a um funcionário antigo, que respondia: ‘Sempre fizemos assim' e ali, na hora, já matava a nova ideia e desmotivava quem a deu. Também percebíamos que muitas vezes as ideias eram dadas a pessoas certas, ou seja, aquelas que realmente escutavam o que estava sendo dito e consideravam como uma oportunidade de melhoria de qualquer aspecto da empresa. No entanto, na hora errada. Eu mesma, que como sócia-diretora tenho todo o interesse em ouvir ideias sobre como podemos melhorar a empresa, muitas vezes ouvi algo genial a cinco minutos de entrar para dar um workshop. Ao término do workshop, já tinha esquecido da ideia. Desmotivava alguém que não se sentia ouvido, e perdia a chance de implementar algo novo. Note que o canal é sistematizado, mas a proposta tem de motivar o pensamento livre. Foi aí que implementamos a Usina de Ideias e o crowdsourcing, que veio em seguida", detalha Rosangela Souza.

 

Segundo ela, a diferença entre eles é simples: a Usina de Ideias recebe ideias sobre qualquer aspecto da empresa. Já o crowdsourcing propõe um desafio a cada bimestre, e as pessoas são convidadas a pensar sobre como resolveriam aquele desafio da empresa, que pode ser de retenção de talentos, lucratividade, lançamento de produto ou qualquer outro tema de discussão interna que desejamos compartilhar. A Usina de Ideias é um projeto permanente, que motiva a postura de dono, ou seja, um olhar crítico sobre tudo, com a intenção de melhoria contínua.

 

No momento em que a Usina de Ideias virou uma ação medida por um KPI (Key Performance Indicators ou indicadores de desempenho), houve um empenho do responsável naquele momento, no sentido de implementar, uma vez que, se ao término do bimestre, a empresa tivesse realizado as ações necessárias e esta pessoa teria uma meta batida. Isso fez a diferença, especialmente no que se refere à regularidade, o que passou a ser considerado o maior desafio. Captar e implementar uma ideia uma ou duas vezes é muito fácil. Por outro lado, colocar esta ação como um processo permanente na empresa, sem perder a essência, é grande o desafio.

 

Usina de Ideias na Prática - Ao ser indagada sobre como a Usina de Ideias funciona na prática, a sócia-diretora da Companhia de Idiomas explica que todas as pessoas que interagem com a empresa são motivadas a observar o negócio, enviando, dessa forma, suas ideias sobre como melhorar qualquer aspecto do mesmo. Para isso, são usados canais de comunicação como uma urna na empresa, redes sociais, e-mails, entre outros recursos. A cada dois meses, um grupo de funcionários sorteia algumas ideias, analisando sua capacidade de implementação. Aquelas que puderem ser colocadas em prática no bimestre são escolhidas, e seus autores recebem prêmios em dinheiro, que são entregues em eventos promovidos pela Companhia de Idiomas, como workshops. A premiação diante dos pares motiva o idealizador e também todos os outros, que provavelmente se sentirão estimulados a contribuir com outras ideias. Vale ressaltar que quando a pessoa tem sua ideia selecionada, ela é comunicada oficialmente por e-mail. É importante informar que durante a escolha da ideia, apenas uma pessoa do grupo sabe quem é o autor. Então, as sugestões são escolhidas e só depois a empresa fica ciente de quem é o autor contemplado.

 

Quando questionada sobre como os líderes contribuem para a logística da Usina de Ideias, Rosangela Souza cita que eles estão em várias frentes como, por exemplo: comunicação interna e externa; abrem espaço para os processos de ideação e premiam os autores das melhores propostas. Ou seja, funcionam como verdadeiros agentes disseminados e motivadores do processo.

 

"A Usina de Ideias contribui não apenas com a inovação na empresa, mas principalmente com o senso de pertencimento de todos os colaboradores, especialmente dos professores, que não frequentam diariamente a Companhia de Idiomas, uma vez que os cursos são ministrados nas empresas clientes. Um professor ser premiado por ter contribuído com uma ideia de melhoria de sistema, de método, de reconhecimento ou tantos aspectos já aperfeiçoados é uma forma muito eficaz de promover o senso de pertencimento, que é poderoso na retenção de talentos", comenta a sócia-direta da empresa.

 

Benefícios - A partir da Usina de Ideias, várias ações foram implementadas pela Companhia de Idiomas. Dentre essas, por exemplo, destacam-se práticas simples como a como eliminação de plástico nas dependências da empresa (ideia de uma professora de francês), até propostas mais complexas como criação de um portal de compartilhamento de atividades extras para os professores (sugestão de um professor de inglês) ou a contratação de professores mentores dos mais inexperientes, contribuindo com a formação de mão de obra qualificada (apresentada por uma professora de espanhol). "Mudanças no layout da empresa, na forma como nos comunicamos com alunos, material que apresentamos nas visitas de vendas e até mudanças na medição dos resultados dos cursos. Se olharmos para trás, concluímos que todas as áreas foram aperfeiçoadas graças à Usina de Ideias", conclui Rosangela Souza, ao lembrar que algumas metas da área de Recursos Humanos foram alcançadas a partir dessa iniciativa e dentre elas, destacam-se: postura do dono; senso de pertencimento; identificação com a missão, além do reconhecimento e da valorização das pessoas.

 

Palavras-chave: | Companhia de Idiomas | Rosangela Souza | Usina de Ideias | criativo | inovação |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (1)
Janaina em 26/03/2014:
Matéria excelente! Intercomunicação é um dos passos mais importantes para o aperfeiçoamento de uma empresa!

PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.