O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






02/03/2016
RH » Criatividade » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Mais do mesmo?

Por Daniel Moraes para o RH.com.br

Inovação, este é o tema! Mas como milhões de outros textos existentes sobre o assunto, este também não será inovador.

Repetição é o sentimento que encontramos ao sermos bombardeados com textos, reportagens e frases sobre o tema inovação. Interessante o fato de algo que representa o novo ser sempre descrito utilizando os mesmos argumentos.

A minha ferramenta é melhor, minha metodologia funciona, tenho um processo revolucionário, agora é a hora de aplicarmos isso, olha a frase pronta deste grande inovador e assim seguimos tentando inovar por meio da defesa de bandeiras. Confesso que não consigo embarcar nestas fórmulas prontas.

No meu ponto de vista, não tem certo e errado, apenas diversas opções para conduzir o tema, sendo que o nobre está em aplicar um pouco de cada, onde fizer sentido. Porém o maior valor está no fato de que a realidade sempre estará lá fora: no mercado, nos seus clientes, na vida real.

[Se] inovação é quando geramos de alguma forma valor, se para gerar valor precisamos ir até o fim na implementação do que é proposto, se o que foi proposto precisa resolver o problema ou atender um desejo de um grupo relevante, se este grupo relevante precisa conhecer a solução proposta e adotar a mesma para desta forma reconhecer e remunerar o valor...

[Então] a inovação precisa de muitas contribuições para ter sucesso, o novo mundo é colaborativo e aqui entram as colisões. Colisões de ideias, de visões, de culturas, da forma de resolver algo. As colisões com clientes, com o mercado, com concorrentes, com novos entrantes, com outras frentes que em um primeiro momento não tem nada haver com seus objetivos. A colisão irá permitir conhecer os problemas existentes em um determinado segmento de mercado e também definir opções de soluções para resolver os mesmos.

Próximo passo é experimentar, falhar rápido e sem aplicação de grande quantidade de recursos, não ter medo de testar. Aqui é importante uma excelente comunicação para alinhar as expectativas de todos os envolvidos, pois pequenas falhas são positivas!

Após boas falhas e alguns acertos, é hora de remodelar os planos e implementar a solução com foco em atender a necessidade de "time to market" dos seus clientes. Execução perfeita e empática com as necessidades dos clientes é mandatória.

Esta solução precisa ganhar escala e para isso, o BackOffice precisa estar pronto para suportar este crescimento, uma vez que você conseguiu ter algo bom nas mãos, não pode decepcionar os futuros clientes no momento da primeira experiência.

O cliente gostou? Você conseguiu com que seu cliente remunere a sua solução conforme esperado? Se sim, parabéns! Você fez uma inovação.

Política, economia, problemas externos e etc.? Desafios sempre vão existir, vai da inteligência na estratégia de estruturação desta nova inovação definir ações para mitigar o ambiente externo. Só não é aceitável não tentar.

Você concorda? Já que o mundo será cada vez mais colaborativo, quem sabe suas contribuições nos comentários não podem tornar este texto finalmente inovador!

 

Palavras-chave: | criativo | inovação | aprendizagem |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.